Início Noticia Guiné-Bissau: PNUD entrega material eleitoral à CNE

Guiné-Bissau: PNUD entrega material eleitoral à CNE

O Programa das Nações para o Desenvolvimento, PNUD, entregou esta quinta-feira, 10 de janeiro, um conjunto de material eleitoral no valor de 350 milhões de francos cfa, mais de 533 mil euros.

2293
0
Bissau, entrega de material eleitoral à CNE 

Indira Correia Baldé – Bissau, Guiné-Bissau

O conjunto é constituído de 440 urnas de votação, 3 mil 100 cabines de votação mais do que previsto para votação, 11 mil 542 frascos de tinta indelével e 3 mil 100 consumíveis para mesas de votação.

A aquisição do material foi feita com contribuições do governo da Guiné-Bissau, PNUD, Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), União Económica e Monetária da África Ocidental (UEMOA), os Estados Unidos da América, a Itália, a Guiné- Equatorial e o Japão.

A CNE está preparada do ponto de vista material

O Representante do PNUD na Guiné-Bissau disse na entrega dos materiais que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) está “preparada do ponto de vista material para a realização de eleições de 10 de março de 2019”.

Gabriel Dava afirmou que restam apenas os materiais eleitorais ”sensíveis” nomeadamente os “ boletins de voto” que serão fornecidos por outros parceiros, neste caso Portugal.

O Diplomata da ONU avançou que “o acto encoraja os cidadãos em geral e a classe política para se prepararem rapidamente para o acto que se vai seguir (Eleições).

O respeito pelas leis é essencial em qualquer democracia

O Coordenador do Sistema das Nações Unidas na Guiné-Bissau considerou ”normal“ uma certa tensão política em processos eleitorais, mas pediu que isso não deve impedir os actores políticos de se concentrar naquilo que é realmente essencial e de respeitar as normas previstas na lei da Guiné-Bissau.

David McLachlan-Karr sublinhou “o respeito pelas leis é essencial em qualquer democracia e estado de direito”. Mais adiante afiançou que “só isso pode gerar a necessária confiança entre cidadãos e instituições”.

“Sem o mínimo de confiança não é possível estabelecermos contratos, fazermos negócios enfim não é possível vivermos em sociedade e avançar para o desenvolvimento”.

Assim o Coordenador do Sistema das Nações Unidas “apela todos os guineenses e em particular aos líderes políticos que trabalhem em conjunto assumindo as suas responsabilidades para encontrarem formas de restabelecer confiança e avançar para as eleições”.    

O australiano ao serviço das Nações Unidas garantiu que a instituição vai continuar a apoiar a Guiné-Bissau.

A Guiné-Bissau vai às eleições legislativas após uma longa crise política que originou a queda em 2015 do governo constitucional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here